Círio 2018: Discurso de Encerramento da Festa da Rainha da Amazônia

O Círio 2018 chegou ao fim e agora cabe-nos guardar, na memória e no coração, tudo o que vivemos nesse tempo que hoje se encerra.

Passou tão rápido, meus amigos, que parece estranho terminar assim… apenas quinze dias depois. Mas é desse jeito:  até o tempo do Círio cumpre seu ciclo e deixa um rastro de saudade.

A vontade de levar adiante a missão não podia prescindir de propósitos essenciais: a condução pelo Espírito através da oração, o alimento  da alma pelo pão da Palavra e da Eucaristia e a entrega no seio acolhedor da Virgem de Nazaré.

E assim chegamos até aqui, neste final de festa, senhoras e senhores.

Para uma breve reflexão, selecionei um trecho da carta de São Paulo aos Efésios, capítulo 2, versículos de 4 a 10, a fim de expressar uma ideia que me é muito cara e que tem tudo a ver com a missão que o Senhor nos confiou – digo nós, olhando para a equipe que formamos: a ideia é como conseguimos concluir a obra que Deus colocou em nossas mãos.

Mas Deus é rico em misericórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo. É por graça que vós sois salvos! Deus nos ressuscitou com Cristo e nos fez sentar nos céus em virtude de nossa união com Jesus Cristo. Assim, pela bondade, que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça. Com efeito, é pela graça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. Pois é ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para as obras boas, que Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos”.

A obra Círio 2018, meus caros amigos da DFN, nasceu no coração de Deus, que nos entregou para que a praticássemos, e recomendou à Maria que se mantivesse ao nosso lado. Por essa razão, e porque cremos de verdade, foi desse modo que tudo aconteceu.

Muitas lembranças, meus  irmãos, ficarão pra sempre na memória de cada um de nós,  deste Círio maravilhoso e santo, que tivemos a chance e a graça de organizar.

Neste momento, porém, o que está saltando aos nossos olhos, nos da Lílian e nos meus, são os abraços, os sorrisos, as palavras de ânimo, a presença, a alegria de estarmos juntos, as ideias, a vontade de acertar, a força, as lágrimas, a oração coletiva, as preces, as súplicas, o carinho e a amizade que cada um expressou, ao seu modo particular. E por fim, a união no amor de Cristo, pelo bem de todos, em favor deste Círio que agora chega ao final. Tudo por amor à Maria Santíssima.

Karol Wojtyla, o papa São João Paulo II, cuja data celebramos há poucos dias, não tinha nem vinte anos quando escreveu o poema Canto do Deus escondido, do qual faz parte este trecho:

O amor explicou-me todas as coisas,

o amor resolveu-me tudo –

por isso admiro este Amor

onde quer que Ele se encontre.

A melhor maneira de falar de Deus, de anunciar o Evangelho, é através de gesto, amando, é “deixar falar somente o amor”. Aliás, é a única maneira, pois mesmo quando se fala “com palavras” sobre Deus, não se pode prescindir do amor.

E assim foi o Círio 2018, regado de amor, amor de Mãe para seus filhos, amor de filhos para sua Mãe, amor entre as pessoas e acima de tudo, amor a Deus.

Com o coração aquecido de emoção, vou terminando.

Caríssimo D. Alberto, receba de toda a Diretoria da Festa de Nazaré, juntamente com D. Antônio e D. Irineu, o nosso respeito e a nossa admiração, sobretudo pela maneira com que se colocaram ao nosso lado. E a nossa gratidão pela convivência harmoniosa e fraterna. Foi tudo muito bom!

Aos  Barnabitas, Padre Luis Carlos, Padre Giovanni, Padre Ramos, Padre Silva, Padre Saraiva, Padre Dheo,  Padre Antony e Padre Mário, comunidade mais que querida por nós, recebam, igualmente, a nossa gratidão, amizade e  carinho. Trabalhar ao lado de vocês foi uma valiosa experiência. Desculpem as nossas falhas. Fica aqui o compromisso de nos empenharmos cada vez mais no exercício de nossa missão em 2019 e saibam que podem contar conosco.

 

Para Uma  Jovem chamada Maria, dirijo minha mensagem final

Mãe querida, obrigado por tudo.

Já estamos com saudades de você.

Erros, tivemos sim, reconhecemos, e vamos consertar.

Acertos aconteceram, graças a Deus em número maior do que o dos erros.

Lições aprendemos, e foram muitas e de grande valor

Tudo foi graça de Deus derramada sobre nós, por suas mãos.

O Círio 2018 foi uma abençoada e inesquecível missão, vivida por todos. E para nós, que compomos esta Diretoria, vivida coletivamente, seguindo o exemplo dos primeiros cristãos: dividimos o pão da graça com alegria e fizemos o que precisava ser feito.

A consciência do dever cumprido é que nos impulsiona na missão.

Maravilhas fez conosco o Senhor, exultemos de alegria!

Muito obrigado!

Por: Casal Coordenador da Diretoria da Festa de Nazaré, Claudio e Lilian Acatauassú. 

Foto: Aline Andrade

Ascom Basílica Santuário de Nazaré