Vocês atendam e assistam os doentes com todo cuidado. Nisso, o superior evite a negligência; se ele tiver saúde e estiver em casa, deve visitar pessoalmente, todos os dias, aquele ou aqueles que estiverem acamados e use de todos os meios possíveis para aliviá-los e confortá-los, com palavras e gestos. Sirvam os doentes dia e noite, conforme a necessidade o exigir.

Os doentes podem comer carne somente quando não tiverem apetite para outros alimentos e estes não lhes agradarem ou então, porque não os sustentam convenientemente. Mas, quando o apetite voltar e o estômago receber bem os alimentos, excluam a carne completamente. Por isso, se alguém ficar doente e não perder o apetite e se o médico disser que o estômago não será prejudicado, esse irmão não coma carne.

Os irmãos durmam em cima de sacos grossos de lã ou de palha; mas os doentes usem, de acordo com a necessidade, roupas de lã e de linho, contanto que não sejam refinadas. É permitido ir às casas de banhos, mas isso não seja pago nem por parentes nem por amigos e sim, pelos confrades.

Se alguém, portanto, não estiver  apto a observar as prescrições acima indicadas, por causa de alguma limitação física, que pelo menos:- faça, antes de mais nada, o que estiver a seu alcance, como deixar de lado a murmuração, a ira, o orgulho, a ironia e coisas parecidas, que não exigem esforço físico; – trabalhe, também, no que não exigir muita saúde do corpo. Por exemplo: humilhar-se, compadecer-se, meditar, ensinar e outras coisas que não exigem força física para serem executadas.