Para que ninguém desconheça o quanto e quando crescem o relaxamento e a tibieza, queremos demonstrar pelos sinais a seguir.

Por isso, irmãos, lembrem-se de novo de como as Congregações santas foram preparadas, no início, pelo Espírito Santo; mais tarde, porém, relaxaram-se, por causa de muitos acréscimos de leis e de estatutos promovidos pelos que não possuíam o Espírito Santo do mesmo modo que seus pais. E, por isso, introduziram leis e costumes relaxados, do jeito que eles mesmos eram.

E, como o relaxamento e a tibieza têm aversão ao fervor, as leis e os costumes dos tíbios nunca quiseram permitir que alguns fervorosos se separassem deles, afirmando que a união é boa e a desunião é má. Mas, nesse caso, dá-se o contrário: a união é má e a desunião é boa; daí a sentença de São Gregório: “Os santos promovem sedições, porém amando”. Conhecedor disso, São Domingos, sendo de outra Congregação, separou-se deles e fundou uma nova. Assim fizeram Antônio de Pádua, que agora é dos Frades Menores, bem como muitos outros, compreendendo quão horrível seja morar com escorpiões. (Ez.2,6) Por isso, os tíbios não deixam os fervorosos separar-se deles, sob pretexto de boa união, achando vergonhoso que outros pareçam melhores do que eles.

Saibam ainda que os tíbios proíbem tais separações para encobrir seu mau cheiro com o perfume dos fervorosos; enquanto se enchem de coisas temporais, como  os favores deles. Mas você, que se dizem fervorosos, pelo amor de Deus, não cometam tal injustiça: enriquecer os inimigos de Deus com o patrimônio de Cristo!

Por isso, olhem e levantem suas cabeças (Lc.21, 28), e, vendo os sinais que se seguem, fujam, com Abraão, de Ur dos Caldeus, senão o fogo os queimará juntamente com seu irmão.             31705

O PRIMEIRO SINAL é, pois: a multiplicação dos preceitos e daquilo que obriga sob pena de pecado. Saibam que a observância regular não pretende sobrecarregar, mas suavizar e levar à observância da lei, não com força, mas pelo amor. Por esses preceitos, ou melhor, abismos, vocês conhecerão que a obediência foi relaxada, logo ela, que é o primeiro voto solene da vida religiosa.

E mais: a instabilidade dos lugares e das ordens daqueles que fazem e desfazem, mais ainda quando precisarem constringir e obrigar os irmãos a cumprirem ofícios comuns: coisas como essas provam o mesmo.

Quando vocês virem alguém fazer tudo o que quer, ou então dizer: “quero” e “não quero”; e quando virem os superiores se queixarem porque não têm a quem poder confiar ou comunicar algumas coisas; por causa desses sinais e de outros semelhantes, vocês compreenderão que a obediência está corrompida.

O SEGUNDO SINAL PRINCIPAL é esse: Quando vocês virem a multiplicação das chaves, fechaduras pesadas, grades, caixas e portas fortes, concluam que o amor à pobreza acabou, pois essas coisas aparecem em consequência do aumento das posses; enquanto, pelo contrário, todos desprezam o possuir poucas coisas que não têm valor e se enfastiam por causa disso.

Quando vocês ouvirem alguém queixar-se porque lhe falta alguma coisa e, por causa disso, aumentarem as murmurações. Quando virem que alguém exige a prestação de contas por causa de suspeitas e de sutilezas e também outros dizerem: “isto é meu, isto é teu”, digam que o segundo voto, isto é, o voto de Pobreza, está em decadência.

O TERCEIRO SINAL PRINCIPAL é: Quando vocês virem os mais jovens e os mais velhos se distraírem em conversas e recreios que não acabam mais, nem se cansarem desses recreios e ainda brigarem e tomarem certas atitudes e dizerem palavras desagradáveis um para o outro; quando os virem bisbilhotar com tagarelices e com impertinências, se intrometerem em jogos e coisas semelhantes, saindo do costume da Congregação, procurando roupas finas, alegrando-se com passarinhos e vasinhos de flores…podem afirmar que a primeira e imaculada Castidade já começou a ofuscar-se e a se enegrecer.

As frequentes conversas com gente de fora, com bons companheiros e freirinhas levam à mesma conclusão. Se vocês, que querem ser homens espirituais, relaxam a guarda dos três votos, o que têm em si que não seja próprio dos tíbios?

O QUARTO SINAL PRINCIPAL é: Quando vocês virem alimentos serem preparados em quantidade maior do que a de costume, ou o apetite sendo satisfeito com quitutes ou guloseimas; quando vocês ouvirem murmurações por causa dos alimentos e dos vinhos. quando vocês virem alguns ficarem à toa só esperando a hora das refeições; quando os pobres e mendigos forem importunos para vocês. quando ouvirem os confrades esperando por tortas e se deleitando com vinhos saborosos e doces, resumindo, quando vocês virem esses sinais, saibam que o demônio está controlando os gulosos.

O QUINTO SINAL PRINCIPAL é: quando vocês virem os superiores encontrarem desculpas para os seus defeitos e quererem ser perdoados e, pelo contrário, usarem de grande rigidez contra os defeitos dos seus irmãos, não aceitando nenhuma justificação da parte deles; quando vocês virem os superiores sem coragem para punir os defeitos dos seus irmãos e até adulá-los; saibam que, nesses, já desapareceu a justiça e o temor de Deus.

Quando vocês ouvirem muitos, especialmente os superiores, falarem assim: “Assim está bom, não fiquemos preocupados com uma perfeição maior”, ou ainda: “A nossa Congregação está relaxada”. Quando vocês virem os superiores mais preocupados com o cortar as consequências e os resultados dos defeitos do que arrancar suas raízes, que são o amor próprio e as outras paixões. Quando virem os superiores e todos os irmãos com receio de desagradar as pessoas de fora; até pelo contrário, procurando satisfazer-lhes as vontades, como por exemplo: se, numa solenidade, eles quisessem uma Missa a seu gosto, mesmo contrária à Liturgia do dia, ou então se quisessem conversar com os irmãos a seu bel-prazer, passear com eles, comer e satisfazer a gula ou coisas semelhantes. Quando virem os superiores e todos os irmãos, ao invés de exortarem os outros para a prática dos sacramentos, se afastarem deles e afastarem os outros também; ou então frequentarem os sacramentos fora do nosso costume, só para agradar ou até para lucrar alguma coisa. Quando virem que as exortações dos superiores e dos irmãos não dão resultado, que eles usam palavras solenes, pregam coisas estéreis ou se detêm em curiosidades, que têm medo de ofender as pessoas de fora, falando sobre as virtudes e sobre os defeitos apenas em linhas gerais, nunca descendo aos pormenores (cf. capítulo 9). Quando vocês perceberem que o que se fala nas Reuniões é mais especulação e disputa do que coisas morais e práticas; que as eleições dos superiores e dos que têm outros cargos são controvertidas e se discute a respeito da diferença dos graus e da posição social de cada um; que aumenta o número dos irmãos que não têm vocação e que esses são mantidos na Congregação por medo que ela acabe. Quando, pois, vocês virem e ouvirem essas e muitas outras coisas, que seria cansativo enumerar, talvez vocês possam compreender que os bons costumes estão caindo, ou já caíram em decadência.

Mas vocês, que são fervorosos, não participem da corrupção e da tibieza dos outros.