loader image
Terço da Divina Misericórdia: oração pela remissão dos pecados

 “Quando rezarem este Terço junto aos agonizantes, Eu me colocarei entre o Pai e a alma agonizante, não como justo Juiz, mas como Salvador misericordioso”.

São diversas as formas pelas quais Jesus se manifestou para que seus ensinamentos fossem repassados por aqueles que o seguiam fielmente. Não foi diferente quando à Santa Faustina fez sua aparição, a escolhendo para a missão de o tornar conhecido também como misericordioso.

Em seu diário, Santa Faustina relatou como foi esse encontro: “Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e outro pálido. (…) Logo depois, Jesus me disse: Pinta uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inscrição: Jesus, eu confio em Vós” (D. 47).

A aparição àquela jovem irmã em um convento de Varsóvia foi fundamental para que a devoção a misericórdia divina se torna-se ainda mais forte, de acordo com o que Jesus disse:

“Pela recitação desse terço, agrada-Me dar tudo que Me pedem. Quando o recitarem os pecadores empedernidos, encherei suas almas de paz, e a hora da morte deles será feliz. Escreve isso para as almas atribuladas: Quando a alma vê e reconhece a gravidade dos seus pecados, quando se desvenda diante dos seus olhos todo o abismo da miséria em que mergulhou, que não desespere, mas se lance com confiança nos braços da minha misericórdia, como uma criança nos braços da mãe querida. Essas almas têm sobre meu coração misericordioso um direito de precedência. Dize que nenhuma alma que tenha recorrido a Minha misericórdia se decepcionou nem experimentou vexame.”

A mensagem foi repassada e aos poucos disseminada pelo mundo inteiro, consolidando a devoção à Divina Misericórdia. Nas intenções do terço, são colocados em oferecimento os pecados daquele que o irá rezar e também os pecados do mundo inteiro, buscando pela misericórdia de Jesus para que assim sejam redimidos.

Na Basílica Santuário de Nazaré, o terço da Divina Misericórdia é recitado de segunda a sexta-feira, às 15h, com transmissão ao vivo pelo Youtube e Facebook do Santuário.

Como rezar o terço da Divina Misericórdia:

1- Inicie fazendo o sinal da Cruz

2- Reze o Pai-Nosso:

Pai-Nosso, que estais no Céu, santificado seja o Vosso Nome, venha a nós o Vosso Reino, seja feita a Vossa Vontade, assim na terra como no Céu, o pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido, e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém!

3- Reze uma Ave Maria:

Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus!

Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós os pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém!

4- Reze o Creio:

Creio em Deus-Pai Todo Poderoso, criador do céu e da terra, e em Jesus Cristo, seu único Filho, Nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu à mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai Todo Poderoso, de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos, creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém!

5- Em todas as contas grandes, diga:

Eterno Pai, eu Vos ofereço o Corpo e Sangue, a Alma e Divindade de Vosso diletíssimo Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro.

 

6- Nas pequenas (repita 10 vezes):

Pela Sua dolorosa Paixão, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.

 

7- No fim (reze 3 vezes)

Deus Santo, Deus Forte, Deus Imortal, tende piedade de nós e do mundo inteiro.

 

Sobre Santa Faustina:

A misericórdia divina revelou-se manifestamente na vida desta bem-aventurada, que nasceu no dia 25 de agosto de 1905, em Glogowiec, na Polônia Central. Faustina foi a terceira de dez filhos de um casal pobre. Por isso, após dois anos de estudos, teve de aplicar-se ao trabalho para ajudar a família.

Com dezoito anos, a jovem Faustina disse à sua mãe que desejava ser religiosa, mas os pais disseram-lhe que nem pensasse nisso. A partir disso, deixou-se arrastar para diversões mundanas até que, numa tarde de 1924, teve uma visão de Jesus Cristo flagelado que lhe dizia: “Até quando te aguentarei? Até quando me serás infiel?”.

Então, Faustina partiu para Varsóvia e ingressou no Convento das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, no dia 1 de agosto de 1925. No convento, tomou o nome de Maria Faustina, ao qual ela acrescentou “do Santíssimo Sacramento”, tendo em vista seu grande amor a Jesus presente no Sacrário. Trabalhou em diversas casas da congregação. Amante do sacrifício, sempre obediente às suas superioras, trabalhou na cozinha, no quintal, na portaria. Sempre alegre, serena, humilde, submissa à vontade de Deus.

Santa Faustina teve muitas experiências místicas onde Jesus, através de suas aparições, foi recordando à humilde religiosa o grande mistério da Misericórdia Divina. Um dos seus confessores, padre Sopocko, exigiu de Santa Faustina que ela escrevesse as suas vivências em um diário espiritual. Dessa forma, não por vontade própria, mas por exigência de seu confessor, ela deixou a descrição das suas vivências místicas, que ocupa algumas centenas de páginas.

Santa Faustina sofreu muito por causa da tuberculose que a atacou. Os dez últimos anos de sua vida foram particularmente atrozes. No dia 5 de outubro de 1938, sussurrou à irmã enfermeira: “Hoje, o Senhor me receberá”. E assim aconteceu. Beatificada a 18 de abril de 1993 pelo Papa João Paulo II, Santa Faustina, a “Apóstola da Divina Misericórdia”, foi canonizada pelo mesmo Sumo Pontífice no dia 30 de abril de 2000.

 

Texto: Karol Coelho – ASCOM Basílica Santuário de Nazaré

Faça a sua doação

Para a modernização dos equipamentos de transmisão da SANTA MISSA

Share This