loader image
Basílica Santuário de Nazaré solidariza-se com a Itália

Como forma de acalentar os corações das pessoas em meio ao cenário devastador pelo qual o Mundo passa, devido à pandemia do novo Coronavírus, alguns grupos e organizações se juntam em unidade e realizam ações positivas, a fim de levar conforto aos povos mais castigados pela tragédia.

É com esse objetivo que os Padres Barnabitas da Basílica Santuário de Nazaré, cuja ordem religiosa – Clérigos Regulares de São Paulo –, tem origem na Itália, homenageiam seu país de procedência, no momento em que este se encontra assolado pela Covid-19, registrando mais de 129 mil pessoas infectadas e quase 16 mil mortes.

Por iniciativa do Padre Giovanni Maria Incampo, italiano de nascimento, desde o último dia 03/04, a Basílica Santuário hasteou na fachada da Loja Lírio Mimoso a bandeira da Itália e faixas nas cores da Itália e do Brasil, num sentimento que irmana os dois países, neste momento de extrema aflição. “Nossos sentimentos e orações estão voltados também para nossos irmãos italianos, que enfrentam dor e sofrimento com uma enorme perda de vidas, a cada dia. Rogamos para que Jesus e Nossa Senhora de Nazaré se compadeçam da situação desses irmãos, bem como dos brasileiros e das pessoas do mundo inteiro, confortando seus corações e abreviando essa pandemia”, almeja o Padre Giovanni.

HOMENAGEM ATRAVÉS DE CARTA

Tomado por solidariedade e emoção, Padre Giovanni Incampo escreveu uma carta aos conterrâneos que passam na Itália por este momento difícil. Confira na íntegra:

 

Por obediência, escrevi esta carta, que brotou do coração.

Com carinho, padre Giovanni.

 

CARTA À ITÁLIA

 

Oh! “Minha Pátria, tão bela e perdida”; ITÁLIA, ‘Bel Paese’, Jardim

da Europa, Rainha do Mediterrâneo, Mãe das Artes, Pátria dos Santos, poetas, cientistas, descobridores, artistas, músicos, escultores, pintores e arquitetos, Mestra de civilização, Seminário de missionários, Sede do Vigário de Cristo, Santuário dos Santuários, Capital do mundo; oh, “minha pátria, tão bela e perdida”, dirijo-me a ti com orgulho, este humilde filho, que há 50 anos te deixei porém jamais abandonada ou esquecida, hoje prorrompo em prantos diante do sofrimento que aflige e prostra o tua dignidade e a tua beleza.

Um vírus invisível e misterioso, terrível e mortal, que mereceu o nobre título de CORONA – (coroa) ironia do destino! – está te prostrando de joelhos, escarnecida e esquecida pelos europeus; eles, antes, súditos e filhos, excluída e descartada como uma mãe empestada.

Oh! Minha bela pátria, para mim sempre doce e amável mãe, ressurge e levanta-te cada vez mais jovem e potente. Já desponta do teu Adriático, o novo sol do teu futuro, que, como na AUTO-ESTRADA DO SOL, inicia o seu percurso ousado e renovador, devolvendo, com maior vigor, sua beleza imperecível e a tua eterna missão de exemplo e guia para os países vizinhos e mundo, oferecendo-lhes, com histórica competência, a miragem do novo  caminho da história. Como uma fênix imortal, ressurge das cinzas pestilentas do coronavírus e reassume o teu trono, farol da civilização, sobre a qual até o Criador e Redentor do mundo quis sentar-se no centro do seu território, na colina do Vaticano da tua capital, Roma, como centro de Sua Igreja, Mestra da Verdade para todos os povos e por todos os séculos.

Na antiga Petília, hoje Altamura, na Murge da laboriosa terra da Púglia, iniciada pelos Mirmidoni do místico Aquile, destruída pelo paladino carolíngio Orlando e reconstruída pelo gigante da Idade Média, Frederico II da Suécia, imperador do Sacro Império Romano, no cemitério, na capela da família existe um lugar para o meu cadáver; mas decidi que permanecerá vazio, porque ao Brasil, minha segunda Pátria, em breve entregarei meus restos mortais, como gratidão a essa “terra adorada”.

ITÁLIA, minha bela e amada Itália, não chores! O teu destino, de ser a mãe da civilização, permanece para sempre.

ITÁLIA, MINHA ITÁLIA, eu te abraço e te amo!

 

Belém, 01 de abril de 2020.

Padre Giovanni Maria Incampo (a. 88),

Missionário Barnabita no Brasil desde 1969.

 

PROTEÇÃO

Desde a decretação do isolamento social, a Basílica Santuário de Nazaré é a única Igreja Católica do Pará que vem transmitindo a Santa Missa e outras celebrações por meio de suas redes sociais e pela TV Nazaré, visando à proteção contra o vírus, principalmente dos idosos, e cumprindo sua missão pastoral.

Atualmente, direto da pequena capela dos Barnabitas, ao lado da Basílica Santuário, os membros da comunidade religiosa se revezam entre celebrações de missas, adoração, novenas e terços, tudo ao vivo.

A Santa Missa é transmitida por meio das redes sociais da Basílica Santuário e da TV Nazaré. De segunda a sábado, são três missas diárias: às 7h, 12h e 18h. Aos domingos, as missas das 10h e 18h também são transmitidas, ao vivo, pela TV Nazaré, Facebook e YouTube.

Além disso, são feitas celebrações exclusivas pelo Facebook e YouTube, de segunda a sábado: às 8h30, Novena do Santo e Médico Antônio Maria Zaccaria; às 11h30, Novena de Nossa Senhora de Nazaré; às 15h, Terço da Misericórdia; às 17h, Terço Mariano e, às quartas-feiras, às 19h15, Adoração ao Santíssimo Sacramento.

Na programação exclusiva desta Semana Santa, transmissão pelo Facebook e YouTube: quinta-feira, 19h: Santa Missa da Ceia do senhor; sexta-feira, 15h: Celebração da Paixão do Senhor; sábado, 21h: Vigília Pascal. No domingo, às 18h, Páscoa do Senhor, em transmissão pelo Facebook, YouTube e TV Nazaré.

 

 

 

Faça a sua doação

Para a modernização dos equipamentos de transmisão da SANTA MISSA

Share This