Terça-feira Santa: Paixão e Morte, condição de glorificação.

João 13,21-33

 

Mais uma vez, Jesus nos mostra que tem plena consciência do seu destino. Agora, dele acrescenta, explicando-a, a natureza: nele “se revela a glória do Filho do Homem e assim se revela nele a glória de Deus” (v.31). É desde o seu rito de ablução no Rio Jordão, quando ouve a voz do Pai, que ele mostra ter consciência da sua imolação.

Hebreus 10,7 comenta esta consciência de Jesus dizendo: “Ao entrar no mundo, Cristo declara: ‘Não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste um corpo para mim. Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. Então eu disse: Eis que eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade, como no livro está escrito a meu respeito” (Salmo 40).  Ao declarar que somente ele está em condição de ir para o lugar para onde está indo, mostra que somente ele tem o preparo devido. Os apóstolos poderão segui-lo somente quando, amadurecidos pela ação do Espírito, que ele merecerá por eles, conseguirão dar testemunho dele e do Evangelho.

Diante da visão dos horrores do suplício da cruz que logo terá que enfrentar, Jesus encontra a sua força na visão do Filho do Homem, que desde sempre inspirou a sua conduta. Ele sabe que a sua obediência até a morte de cruz alcançará para a sua humanidade o máximo da santificação e, para o Pai, o máximo da glorificação do seu nome.

Texto: Padre Ferdinando Maria Capra, CRSP

Faça a sua doação

Para a modernização dos equipamentos de transmisão da SANTA MISSA